Guerrilheiro Virtual

quarta-feira, 21 de agosto de 2013

A verdadeira demolição do biógrafo do Dirceu

PML e os “fatos”: o autor não sabe o que Dirceu fez, quando, onde, por que.


O Conversa Afiada reproduz artigo de Paulo Moreira Leite, em seu Facebook:


Flagrado numa sucessão inesquecível de erros factuais no livro “Dirceu – A Biografia”, o jornalista Otávio Cabral promete através da Folha de S. Paulo que vai fazer correções na próxima edição.

Mas é difícil escapar da pergunta. Se o livro não tivesse erros em tamanha quantidade seria um uma obra aceitável como um produto cultural, destinado a enriquecer o conhecimento dos brasileiros e o debate de nosso tempo?

Essa é a questão. Erros acontecem em toda atividade humana: na medicina, na engenharia, no Direito e no jornalismo.

Mas erros em excesso não são detalhes. Espelham desconhecimento.

Quem erra muito sabe pouco – aprende-se com uma criança em alfabetização ou com um adulto que tenta falar daquilo que não entende.

Os erros de “Dirceu” ajudam a entender o livro. Otavio Cabral escreveu uma obra onde os fatos não tem a importância que deveriam ter numa obra que pretende se enquadrar no gênero das biografias. Aqui, eles são descartáveis. Podem ser trocados, descartados, substituídos. Não tem valor em si. Servem a um propósito, que é sustentar a visão de Cabral sobre Dirceu.

Além de fatos quimicamente falsos, há outros, em estado vaporoso. Cabral não sabe são verdadeiros, ou se não passam de puros boatos. Mas divulga tudo mesmo assim, sem esconder a vontade de fazer carga – de qualquer maneira, por todo lado.

Como exercício de terrorismo moral, o livro é uma exibição de má pontaria.

O problema real é sua falta de conhecimento sobre personagem e os diversos contextos da vida de José Dirceu. Você atravessa mais 360 páginas e não consegue entender as causas da influência de Dirceu nas últimas décadas da política brasileira. Não se trata de aprovar ou não o que ele faz.

Trata-se de saber o que ele fez, quando, onde, por que.

O autor não tem conhecimento real sobre a ditadura militar que marcou a geração de Dirceu e de tantos brasileiros. Não faz ideia de como era a vida no país daquele tempo, limitando-se a produzir julgamentos ideológicos. Também lhe faltam elementos importantes para entender o que foi o processo de democratização e o processo político que levou Lula e o próprio Dirceu ao Planalto, em 2003.

Já na orelha o livro faz uma afirmação absurda: “em 2003, pela via democrática que não ajudara a construir, (Dirceu) alcançaria o Palácio, ministro de um presidente eleito pela esperança.”

Considerando métodos honestos de discussão, não há como sustentar a noção de que Dirceu “não ajudou” a construir a vida democrática no país.

Maior liderança estudantil dos anos 60, exilado, guerrilheiro, no final da década de 70 Dirceu atuou ainda na clandestinidade junto a movimentos que resistiam a ditadura, pediam anistia aos presos políticos e foi um dos articuladores reconhecidos da campanha das Diretas-Já. Levando em conta o tamanho reduzido do PT naquele início da década, seu papel como organizador da ala mais combativa do movimento pelas diretas foi equivalente, todas as proporções guardadas, à atuação de um governador como o tucano Franco Montoro.

Sem deixar de ser amigo da ditadura comunista de Fidel Castro, anos depois Dirceu destacou-se no esforço para aproximar Lula e o PT de forças políticas moderadas, capazes de garantir uma base mais ampla para o governo. Com apoio de Lula foi o principal responsável pela elaboração de uma política de alianças que ajudou a construir o bloco político que permitiu a vitória do PT nas eleições de 2002 e mesmo em 2006 e 2010, quando se encontrava fora do governo. Os principais adversários de Dirceu, durante muitos anos, foram vozes da ala esquerda do PT, que denunciavam sua “aliança com a burguesia”.

Se estivesse em busca do Dirceu real, e não de um mito adequado ao conservadorismo primitivo que marca a formação política do país, Octávio Cabral teria registrado sua atuação no Congresso e na Casa Civil para facilitar aproximações com empresários, negociando acordos e desatando nós – e sempre tomando porradas internas por isso.

Durante a campanha de 2002, Dirceu foi aos Estados Unidos para estabelecer relações com o governo do presidente republicano George W. Bush. Naquele momento, a candidatura Lula era alvo de uma campanha reacionária, em Washington, para apresenta-lo como uma combinação de Hugo Chávez, alvo de um golpe de Estado no início daquele ano, com apoio dos EUA, e de Fidel Castro, que a Casa Branca tentou derrubar por meio século. Dirceu retornou como interlocutor legítimo do novo governo junto ao Departamento de Estado e da embaixadora Donna Hrinak.

O acadêmico Mathias Spektor assinala que naquele período Brasil e Estados Unidos atingiram um padrão de bom entendimento poucas vezes conseguido ao longo da historia diplomática dos dois países – e jamais reconhecido pela imprensa brasileira. Seria absurdo ignorar que Dirceu teve um papel pioneiro na construção desta situação.

Sem acesso a Dirceu nem a fontes dispostas a ajudá-lo a formar uma visão consistente sobre 50 anos dedicados à política, o livro contenta-se com entrevistas já publicadas e envelhecidas. Também dá credito a relatos de segunda mão e depoimentos de velhos camaradas que se tornaram adversários e até inimigos de Dirceu, método ideal para produzir uma obra que transpira raiva e ressentimento.

Num exercício de psicanálise à distancia, Cabral escreve que, filho de um pequeno empresário conservador, em 1964 Dirceu apoiava o governo Jango “mais para se opor ao pai do que por ideologia.”

Falando sobre 1968, o livro enxerga a ação da ditadura contra os estudantes de um ponto de vista que poucos observadores já tiveram enunciaram em público. Comentando o sucesso de uma das ações do líder estudantil Dirceu, a ocupação da Maria Antônia, Otávio Cabral escreve que isso ocorreu por causa da “falta de repressão.”
Então é assim. O leitor precisava chegar a 2013 para Octávio Cabral dizer que em 1968 havia “falta de repressão” no Brasil.

Como sabem até alunos de curso fundamental, o regime militar cuidou de resolver essa situação poucos meses depois, quando baixou o AI-5.

Preso naquele ano, no fim do Congresso de Ibiúna, Dirceu planejava fugir da prisão porque tinha “medo da tortura,” escreve Cabral, o corajoso.

Pelo método da banalização do mal, o livro vai chegando aonde pretende. Ameniza a brutalidade da ditadura, num esforço necessário para reduzir o valor de quem ousou mobilizar-se contra ela. Ao falar em “medo da tortura” o livro assume um ponto de vista conhecido e lamentável.

A prática da tortura, no mundo inteiro, tem um discurso estabelecido para tentar justificar-se. Situados na posição confortável de um interrogatório, torturadores profissionais preferem explicar confissões obtidas por uma suposta falta de caráter de suas vítimas, pelo “medo”, pela “covardia,” e não pela ação dos choques elétricos no pau de arara. Numa tentativa de explicar um comportamento desumano, querem fazer seus contemporâneos acreditarem que, antes de vencer suas vítimas pela dor física, haviam sido capazes de derrotá-las no plano moral. Conforme esta fabricação imoral, a covardia das vítimas era mais importante do que a dor que efetivamente sentiam.

Lançado nas semanas anteriores ao julgamento dos recursos da ação penal 470, era de se imaginar, com otimismo, que o autor tivesse a ambição de trazer novidades nesse terreno. Mas não.

O livro limita-se a fazer coro com denúncias conhecidas, aproveitando a ocasião para tentar chegar às listas de mais vendidos. Levando a má investigação policial para o campo jornalismo, “Dirceu” com aspas deduz, infere, quer tornar plausível a visão de que Dirceu sem aspas era o chefe do esquema – mas não tem provas nem fatos novos. Octavio Cabral entrevistou José Antônio Oliveira Lima, advogado de Dirceu, mas não teve curiosidade de entender os argumentos de uma defesa que, como se sabe, obteve um apertado placar de 5 a 4 numa deliberação importante, sem falar numa condenação ampliada porque o presidente do STF Joaquim Barbosa cometeu um erro de datas na hora em que definia a pena.

Por oposição, a leitura de “Dirceu” me fez pensar em “Hitler”, de Ian Kershaw. Uma das melhores biografias jamais escritas, “Hitler” contém uma lição bem sucedida para um exercício difícil: narrar a história de vida de uma pessoa pela qual o autor não possui um milímetro de simpatia. Trabalhando quatro décadas depois da morte de Hitler, Kershaw escreveu um total de 1076 páginas. Seu trabalho é impecável. Não deixa nenhum fato de lado, não perde o rumo nem confunde a realidade com seus argumentos nem afirma o que não pode sustentar. É um livro repleto de ensinamentos universais de política, de história, de reações humanas.

Aplica-se, à cultura, aquela verdade que Hanna Arendt descobriu para a Justiça.

Mesmo um nazista, como Adolf Eichmann, tinha direito a um julgamento justo.

Por mais errada que seja sua visão de José Dirceu, Octávio Cabral não tinha o direito de lhe dar um tratamento abaixo da dignidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

”Sendo este um espaço democrático, os comentários aqui postados são de total responsabilidade dos seus emitentes, não representando necessariamente a opinião de seus editores. Nós, nos reservamos o direito de, dentro das limitações de tempo, resumir ou deletar os comentários que tiverem conteúdo contrário às normas éticas deste blog. Não será tolerado Insulto, difamação ou ataques pessoais. Os editores não se responsabilizam pelo conteúdo dos comentários dos leitores, mas adverte que, textos ofensivos à quem quer que seja, ou que contenham agressão, discriminação, palavrões, ou que de alguma forma incitem a violência, ou transgridam leis e normas vigentes no Brasil, serão excluídos.”