Guerrilheiro Virtual

quinta-feira, 18 de julho de 2013

Governo, saúde, médicos, imprensa e classe média

Por Davis Sena Filho

Eu não sei por que o Governo Federal administrado por uma presidenta trabalhista eleita pela maioria do povo brasileiro se torna refém de pressões levadas a cabo pela imprensa de negócios privados e por categorias ou classes profissionais como, por exemplo, a dos médicos, que se recusa, terminantemente, a trabalhar no interior do País, desenvolver o Brasil profundo, que a maioria dos brasileiros não conhece e nem pretende conhecer, pois prefere, obviamente, estabelecer-se em cidades e regiões consideradas por eles mais aprazíveis e “civilizadas”, além de adequadas aos seus interesses econômicos, financeiros e logísticos.

Esta é a conduta e a postura de grande parte dos médicos. Isto acontece porque a medicina se tornou há muito tempo um segmento venal, estritamente dedicado ao comércio e ao consumo, dominada pelos propósitos econômicos dos grandes laboratórios internacionais, clínicas e hospitais privados, bem como à mercê de médicos e administradores, que se tornaram poderosos empresários do setor de saúde, que, inclusive, controlam politicamente o Conselho Federal de Medicina (CFM) e têm forte influência no que diz respeito aos acordos e contratos firmados com o SUS, que sustenta unidades hospitalares privadas, sendo que muitas delas não dão o retorno devido à população, no que concerne a zelar por um bom atendimento, além de não oferecer serviços médicos e hospitalares de boa qualidade.

Contudo, o que mais me chama a atenção sobre a crise na saúde é a desfaçatez e o cinismo perverso da oposição político e partidária (PSDB, DEM, PPS e lamentavelmente o PSOL) da direita brasileira, totalmente desprovida de bom senso ao tempo que vitimada severamente pelo alzheimer, pois “incapacitada” por conveniência de ter memória, e, consequentemente, de lembrar que fez campanha com a ajuda da imprensa de mercado contra a CPMF, bem como também votou contra a contribuição nos plenários do Congresso, o que acarretou o desfalque de R$ 40 bilhões anuais, dinheiro este que financiava a saúde pública, que precisa urgentemente de melhores serviços de saúde para oferecer à sociedade brasileira.

Tudo isto foi esquecido pelos políticos e partidos de direita e pela grande imprensa alienígena, entreguista e que despreza o Brasil e o povo brasileiro. A mesma imprensa colonizada e historicamente golpista que apoiou o “apartidarismo” e o modo “apolítico” de a classe média se conduzir e se expressar, principalmente quando os seus protestos e a sua “indignação” inundaram as ruas do Brasil após o Movimento Passe Livre (MPL), com sua pauta de esquerda, apanhar violentamente da polícia tucana de São Paulo, comandada pelo governador Geraldo Alckmin, um dos líderes nacionais do PSDB, partido que em sua sigla se autodenomina social democrata, mas que na verdade é um partido conservador, neoliberal, e que se pudesse venderia o que restou do patrimônio público deste País, que, indubitavelmente, não foi construído através do tempo pelos homens e pelas mulheres do PSDB.

Considero também leviandade e oportunismo dessa mesma classe média, herdeira legítima da passeata realizada antes do golpe de 1964, que, cinicamente e equivocadamente, chamou-se Marcha da Família com Deus e pela Liberdade, realizar os protestos somente no período da Copa das Confederações, para logo encerrar as suas manifestações após o seu término, sendo que a maioria das pessoas que viram os jogos era também integrante dessa classe reacionária politicamente e preconceituosa socialmente, que desde a Revolução Industrial se alia às oligarquias dominantes, porque é portadora dos mesmos valores e princípios das classes privilegiadas, que, entre outras coisas, lutam incansavelmente para não permitir a distribuição de renda e de riqueza, bem como tratam a questão latifundiária urbana e rural como caso de polícia quando o problema é fundamentalmente social. Os latifúndios improdutivos pertencem não a fazendeiros, mas simplesmente a agentes imobiliários, que vez ou outra usam botas e chapéu.

Por seu turno, a classe média é sempre barrada na porta do baile dos ricos, porque, evidentemente, para o seu desgosto e frustração, não tem dinheiro no cofre, mas apenas uns caraminguás nos bolsos. Coitada, tão reacionária e perversa ao tempo que equivocada e despolitizada. E eis que os sabujos e os pitbulls servidores dos barões da imprensa se voltam contra a vinda de médicos estrangeiros para o Brasil, “esquecem” do fim da CPMF, e, não satisfeitos, dão voz ativa, de forma constante, aos médicos conservadores que controlam o Conselho Federal de Medicina e aos administradores e empresários de planos de saúde, que não atendem de maneira digna o povo brasileiro.

A verdade é que essa imprensa ideológica e de direita manipula a informação e se recusa a democratizar as comunicações no Brasil. O sistema midiático privado e hegemônico não quer que nada mude, avance e se desenvolva. Tal imprensa quer que tudo fique como está, pois, volto a afirmar, ela é a ponta de lança do establishment, que garante através dos séculos o status quo dos proprietários da casa grande, que, se estivessem, a viver no século XIX, seriam, sem sombra de dúvida, escravocratas.

De repente, não mais do que de repente, os médicos, os residentes e até mesmo os estudantes de medicina se mobilizam, e, em tom uníssono, abrem a boca e saem às ruas em protesto contra o programa do governo trabalhista que, ao ouvir as vozes dos manifestantes no mês de junho, começa a tentar cumprir a pauta (positiva) de reivindicações dos trabalhadores, dos estudantes e da classe média oportunista, que se mobilizou com a intenção de mostrar o seu descontentamento com a ascensão de parte da massa de cidadãos brasileiros que passaram a ter acesso ao consumo de bens duráveis, bem como a frequentar os aeroportos, os restaurantes e as universidades públicas até então enclaves da classe média, que as recebeu do poder público e político como contrapartidas por não ser proprietária dos meios de produção.

Os médicos e os futuros doutores da saúde resolveram por as manguinhas de fora. Muitos deles se comportaram como verdadeiros playboys, filhinhos de papai, mimados, cujos egos deixam os dos artistas hollywoodianos humilhados. Trata-se de um contrassenso total e de uma arrogância e prepotência somente comparável às dos representantes da burguesia, eleitos ou não, que lutam por seus interesses em todos os fóruns públicos, em busca de fazer prevalecer às vontades e os desejos daqueles que são inquilinos do pico da pirâmide social, que, equivocadamente, consideram a ascensão da chamada classe c um problema que poderá acarretar em diminuição de seu poder de barganha, no que tange a ter privilégios e favorecimentos.

A classe médica e os estudantes de medicina querem, na verdade, manter seus privilégios, a começar pela luta para que nada mude, bem como garantir a reserva de mercado no que tange aos empregos, mesmo sabendo que o Brasil necessita de dezenas de milhares de médicos, pois temos uma população de 200 milhões de habitantes e que não são atendidos de forma adequada, porque a demografia médica neste País é muito mal distribuída, o que acarreta desequilíbrios regionais no que é relativo à distribuição e à fixação de profissionais de saúde, além de, não é conveniente esquecer, que o estado brasileiro tem de melhorar, e muito, questões referentes ao financiamento e à infraestrutura do setor da saúde pública e também privada, afinal o segmento particular tem de arcar com as suas responsabilidades e não apenas se preocupar em ter somente lucro.

Os dados e índices divulgados em fevereiro pelo Ministério da Saúde mostram que o Brasil tem 1,83 médicos a cada mil habitantes. Ponto. Sendo que a média mundial é de 1,4 mil médicos a cada mil habitantes. O Ministério da Saúde projeta oferecer ao povo brasileiro 2,5 médicos para cada mil habitantes. A Inglaterra, por exemplo, tem 2,7 médicos a cada mil habitantes.

Portanto, o déficit de pessoal é uma questão séria e por isto não pode ficar à mercê de demagogia política da oposição partidária de direita, das polêmicas artificiais da imprensa corporativa, que visam criar confusão para manipular a população, além do corporativismo insensato e irresponsável de parte da classe médica representada pelo presidente do CFM, Roberto Luiz d'Avila.

O porta-voz da classe médica não quer, afirmo novamente, mudanças. O Governo trabalhista pretende trazer médicos estrangeiros para exercerem suas profissões em localidades distantes e nas periferias. Um dos motivos dessas áreas não terem médicos é porque muitos desses profissionais de saúde se recusam a ir para locais carentes, pois preferem morar em grandes e médias cidades, por diversos motivos diferentes. É fato.

O Governo trabalhista primeiro se prontificou a não exigir a revalidação dos diplomas dos médicos estrangeiros. Contudo, o CFM quer que tais médicos façam o Revalida, o que pode ser atendido. Além disso, os estrangeiros assinariam contratos temporários de apenas três anos, com salários de R$ 10 mil e clinicariam somente nos lugares distantes ou carentes. Para conseguir atingir tais metas, o Brasil necessitaria ter mais 168.424 médicos, conforme os estudos do Ministério da Saúde.

Mesmo assim a gritaria é altissonante, e os conservadores aproveitam para criar crises artificiais, a fim de engessar as ações do Governo trabalhista, pois em outubro de 2014 vai haver mais uma eleição presidencial. A casa grande morreria de desgosto e amargura se ficar mais quatro anos sem subir a rampa do Palácio do Planalto. Ponto.

Todavia, o Governo quer cumprir a pauta positiva reivindicada nos protestos, e todo mundo sabe que a questão da saúde consta na pauta. Entretanto, pelo andar da carruagem, quem não tem pressa é a oposição de direita e a sua porta-voz: a imprensa, que cria polêmica falsa para trazer a classe média consumidora contumaz de seus produtos novamente para o seu lado político. A manipulação e a sabotagem são bem feitas e realmente confunde as pessoas menos politizadas e atentas.

A mediocridade campeia nos quatro cantos e nos sete mares. Essa gente obtusa não consegue enxergar que a inclusão social é o combustível do desenvolvimento econômico e financeiro. Quanto mais gente incluída, mais a sociedade vai se desenvolver, além de propiciar a diminuição da pobreza e da violência, porque os despossuídos são geralmente os agentes da violência cotidiana, tão comum nos bolsões de pobreza, a exemplo das favelas e das periferias das grandes e das médias cidades. Esses burguesinhos saem às ruas vestidos de branco, com cartazes agressivos ao tempo que preconceituosos e desrespeitosos, que levaria um cidadão desavisado a pensar que estaria a ver um desfile da Ação Integralista Brasileira (AIB), movimento de caráter fascista liderado por Plínio Salgado. Só que estamos em pleno século XXI - início do terceiro milênio. Anauê!

Instantaneamente, a imprensa burguesa tratou de criar mais uma contenda, “azeitar” mais uma polêmica, e, para não perder o costume, ouviu muito mais um lado do que o outro. E adivinhe qual foi o lado que a imprensa mercantilista ouviu? O lado dos que podem mais, dos que controlam e dominam os gigantescos e bilionários mercados da medicina e dos laboratórios, que têm como aliados históricos o Conselho Federal de Medicina, a poderosa bancada desse setor no Congresso, os inúmeros ministros que ocuparam a cadeira de ministro da Saúde, além da imprensa comercial e privada (privada nos dois sentidos, tá?), que atua em diferentes mídias, e por causa disto favorecida com contratos publicitários milionários pagos pelos laboratórios, clínicas, hospitais e planos de saúde, que difundem as suas marcas e monopolizam o mercado de medicamentos e de atendimento médico e hospitalar.

Por isto e por causa disto, considero o fim da picada ver os “mauricinhos” e as “patricinhas” - ainda jovens e vestidos de branco - a protestar sem ao menos discernir sobre as realidades dos fatos. Um absurdo. Esses caras não sabem o que está a ocorrer, e quais as forças envolvidas nessa grande questão que é a saúde pública e privada brasileira, e, por que não, mundial. Afinal de contas, o presidente dos EUA, Barack Obama, passou praticamente todo o seu mandato em luta constante contra os republicanos e a imprensa privada de lá para aprovar o projeto de seu governo em favor da efetivação de um sistema de saúde público e universal, que atenda o povo estadunidense. Esta é a verdade: a medicina se tornou apenas um incomensurável negócio nas mãos de empresários e médicos sem escrúpulos.

Entretanto, o Brasil já há algum tempo tem o seu sistema de saúde – o SUS - que é universal e sustenta, sem o dinheiro bilionário da CPMF, a saúde pública e também a particular, pois repassa recursos bilionários à iniciativa privada, que, em contrapartida, oferece um serviço sofrível, às vezes de péssima qualidade, com filas enormes e atendimento recorrentemente desumanizado, que gera conflito e reclamação de quem paga planos de saúde caríssimos, que não cobrem totalmente as necessidades dos cidadãos, dos pacientes, dos enfermos, porque existe um casuísmo, uma pilantragem chamada “carência”, que força o paciente e consumidor a esperar para ter o direito de ser atendido.

Porém, antes o cidadão precisa rezar e cruzar os dedos, tomar um banho de sal grosso e depois se benzer para não morrer nos bancos de espera da tão propalada saúde VIP, que a classe média sempre quis fazer questão de elogiar o que, seguramente, não é elogiável. Moral da história: não é somente o SUS o vilão dos acontecimentos. A iniciativa privada tem o seu quinhão de vilania também. Só que a imprensa não mostra com a devida ênfase que dá ao setor público de saúde. E por quê? Já disse e vou repetir: porque é a saúde privada que paga pela publicidade nos meios de comunicação, e esses meios são os porta-vozes mais importantes do sistema capitalista.

Além disso, o SUS é o sistema responsável pelo atendimento de alta complexidade aos pacientes e enfermos brasileiros. Pode acreditar. Inclusive o cidadão leitor e consumidor de pasquins de péssima qualidade editorial, a exemplo de Veja, O Globo, Estadão, Folha de S. Paulo, Correio Braziliense e Zero Hora, sem me esquecer de citar rádios e televisões como a Globo News, a TV Globo, a TV Bandeirantes, a CBN e a Jovem Pan, dentre muitos outros meios de comunicação que fazem e fizeram oposição política, ideológica e sistemática aos governos trabalhistas dos presidentes Lula e Dilma Rousseff, bem como tiveram a mesma conduta no que é relativo aos governantes trabalhistas Getúlio Vargas e João Goulart, além do governador Leonel Brizola, político brasileiro que mais tempo foi obrigado a ficar no exílio. O mandatário gaúcho amargou 15 anos (1964/1979) de desterro.

O SUS precisa ser financiado. O problema do Sistema Único de Saúde é dinheiro. Todavia, o SUS é um sistema extremamente importante para o Brasil e para os brasileiros, porque somente os hospitais da rede do SUS têm equipamentos, medicamentos, administradores e pesquisadores que refletem a grandeza do SUS, que, de acordo com o Governo Federal e a vontade soberana do Congresso Nacional, vai receber 30% dos recursos do Pré Sal, pois os outros 70% vão ser destinados à educação.

Os avanços na saúde pública são visíveis, mas a propaganda contrária é tão sistemática e contundente que leva a população desconhecer as virtudes, o trabalho do SUS, principalmente no que diz respeito ao atendimento de alta complexidade, a equipamentos caros e de última geração, ao financiamento de viagens para pacientes ao exterior, à valorização da pesquisa, à concessão e distribuição de medicamentos, ao financiamento de programas estaduais e municipais, principalmente às comunidades carentes, por meio da construção de Clínicas de Saúde da Família e Unidades de Pronto Atendimento (UPA), onde os pacientes são acompanhados por intermédio de cadastros informatizados, atendidos pelo mesmo médico, o que favorece o vínculo e a confiança entre o paciente e o médico, além de as consultas serem marcadas pelo telefone.

Agora, a pergunta: como e que eu sei disso? Poderia dizer que soube por meio de informações e reportagens, o que já aconteceu, pois algumas foram escritas por mim. É verdade. Mas não é isso. Eu sou cadastrado e já fui atendido na Clínica da Família do bairro de Botafogo, no Rio de Janeiro. Fui muito bem atendido, por sinal. Portanto, eu sou uma testemunha de que tudo no SUS não é ruim e incompetente, como apregoa a imprensa manipuladora, aliada de governos e estados imperialistas. A mídia fundamentalista do mercado, que quer pautar a vida pública para governar no lugar de quem é eleito pelo povo brasileiro, o que é um acinte ao estado democrático de direito.

Por sua vez, os principais hospitais, órgãos e instituições de pesquisa avançada são vinculados ao sistema público de saúde, inclusive os hospitais universitários. Essas instituições são incomparavelmente mais importantes e mais competentes do que a saúde privada, cartelizada, que, inegavelmente, também é financiada pelo estado brasileiro. Quando vejo os médicos playboys se recusarem a ir para o interior e portarem cartazes como eu vi uma jovem mostrar e que dizia a seguinte frase: “Dilma, vai curar seu linfoma no SUS”, percebi mais uma vez que a nossa sociedade e especificamente a classe média globalizada e informatizada perdeu a noção do que é humano, do que é direito e do que é razoável.

O que esta estudante tem na cabeça? Vento e maledicência? Uma “patricinha” egoísta, que não conhece o Brasil e muito menos o seu povo e que mostra um cartaz desumano, perverso e infame, pois como futura médica deveria ter ao menos a sensibilidade de que não se brinca com o câncer, com a dor e o sofrimento dos outros, ainda mais quando se trata de uma doença de tratamento complexo e que poderá se transformar em mortal. A “patricinha” vai ser médica. Talvez se torne uma profissional fria, calculista e, portanto, irremediavelmente, desalmada.

E assim milhares de profissionais se formam e dessa mesma maneira efetivam as suas atividades, o que me leva a dizer que o problema do SUS e da saúde em geral não é somente de caráter financeiro e estrutural. Existe uma questão fundamental, que é o respeito ao semelhante, mesmo se o seu “igual” for uma autoridade como o é a presidenta Dilma Rousseff, que obviamente tem trabalhado e se esforçado para melhorar as condições de vida do povo brasileiro. O orçamento da saúde pública no Brasil é gigantesco, e o gerenciamento do sistema é complexo, porque a sua administração se dá nas esferas municipal, estadual e federal. Não é fácil.

Um jornalista pegar um microfone e portar uma câmara escondida é fácil, rotineiro e um direito constitucional, baseado na liberdade de imprensa e de expressão. Mostrar as péssimas condições de um hospital também é fácil. Contudo, cobrar de quem deveria zelar pelo atendimento médico e hospitalar é mais difícil, porque, além de casos de corrupção e da leniência e incompetência de administradores, servidores e políticos eleitos, existe também a questão importantíssima do segmento empresarial e do inegável corporativismo da classe médica, retratado, indubitavelmente, na pessoa do presidente do Conselho Federal de Medicina, que demonstrou, insofismavelmente, que não quer mudanças, nem o ingresso de médicos estrangeiros para atender o interior e a periferia, além de ser contrário ao projeto do governo de fazer com que os médicos formados trabalhem por dois anos para o estado nacional, sendo que a maioria se formou nas universidades públicas e por isto não só devem, mas têm a obrigação de dar o retorno em forma de trabalho para a sociedade, que financiou os seus estudos. Nada como experiência e aprendizado para se tornar um bom profissional. Se depois desses dois anos o médico ou a médica quiserem voltar a serem playboys, que fiquem à vontade, pois os seus caminhos estão livres para ganhar dinheiro.

A resumir: um dos arautos do establishment, o presidente do CFM, que inclui também outros segmentos da saúde, quer que tudo fique como dantes no quartel de Abrantes. Só que os médicos playboys não querem trabalhar no interior do País continental e se recusam terminantemente servir o povo nas periferias. Eles querem, a exemplo do Rio de Janeiro, trabalhar na Zona Sul, no Centro e em bairros de classe média da Zona Norte, como a Tijuca, Vila Isabel e o Grajaú.

Os playboys querem emprego público de meio expediente, atender em clínicas particulares ou em seus consultórios e faltar quando quiser e quando der aos plantões e até mesmo aos serviços de rotina. O que eu afirmo é verdade e acontece, como ocorre também em outros setores profissionais do serviço público. Os médicos têm o direito de ganhar dinheiro e fazer de sua profissão apenas uma ferramenta para ter lucros e dividendos. O médico pode ser frio, calculista, oportunista, dinheirista, egoísta, despolitizado e portar cartazes levianos. O médico pode até cometer crimes, a exemplo do foragido Roger Abdelmassih e do cirurgião plástico Hosmany Ramos. Abdelmassih foi libertado pelo juiz do STF, Gilmar Mendes, useiro e vezeiro em conceder habeas corpus a personagens da crônica policial.

Agora, se o médico não quer trabalhar em todo o Brasil mesmo quando ele ainda é jovem, não tem o direito de impedir que o Governo trabalhista procure soluções para o problema e o dilema. A presidenta Dilma e o Ministério da Saúde não podem ficar à mercê de interesses de médicos ligados ao sistema capitalista que controla o setor da medicina e dos laboratórios. Um presidente é eleito para resolver os problemas da população e não se submeter aos ditames de gente, de empresas e de instituições que querem fazer da medicina apenas um segmento para ganhar dinheiro. Aliás, muito dinheiro. Realmente, os ricos dão trabalho; mas a saúde é um direito de todos. Que sejam bem-vindos os médicos estrangeiros. É isso aí.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

”Sendo este um espaço democrático, os comentários aqui postados são de total responsabilidade dos seus emitentes, não representando necessariamente a opinião de seus editores. Nós, nos reservamos o direito de, dentro das limitações de tempo, resumir ou deletar os comentários que tiverem conteúdo contrário às normas éticas deste blog. Não será tolerado Insulto, difamação ou ataques pessoais. Os editores não se responsabilizam pelo conteúdo dos comentários dos leitores, mas adverte que, textos ofensivos à quem quer que seja, ou que contenham agressão, discriminação, palavrões, ou que de alguma forma incitem a violência, ou transgridam leis e normas vigentes no Brasil, serão excluídos.”